Desde a Pré-História que o homem apara a barba

 

CONCHAS AFIADAS, PEDRAS LASCADAS E DENTES DE TUBARÃO terão sido os primeiros utensílios usados pelo homem para aparar a barba. Desde a Pré-História que o homem apara a barba com utensílios que foram evoluindo. A inovação segue e ainda há negócios à espreita. 
DEPOIS VIERAM AS NAVALHAS, utilizadas por gregos e romanos que perduraram durante séculos. Com o tempo foram sendo aperfeiçoadas, tornando-se cada vez mais afiadas e duradouras, mas sempre perigosas em mãos pouco hábeis. Em 1770, o francês Jean Jacques Perret, um artífice da cutelaria, desenvolveu o que se pode chamar o primeiro aparelho de barbear da História. Encaixou uma barra de madeira numa lâmina, colocando-o no ângulo certo para não cortar a pele do rosto. Era para ser usada pelo próprio e assinalava o inicio do “faça você mesmo”.
MAIS DE UM SÉCULO DEPOIS, os irmãos americanos Kampfe desenvolveram a navalha em “T”, com novo mecanismo capaz de proteger a pele de cortes indesejáveis.
MAS A VERDADEIRA REVOLUÇÃO ocorreu em 1901, quando o caixeiro viajante King Camp Gillette, criou o aparelho de barbear descartável. Tal inovação, libertou os homens das idas frequentes ao barbeiro, ao afiador ou do ritual de afiar as lâminas de barbear-. O sucesso foi estrondoso e a marca ganhou tanta projeção que se apoderou do nome do utensilio e ainda hoje milhões de pessoas chamam “Gillette” ao aparelho de barbear.
NOS ANOS 30, surgiram as primeiras máquinas de barbear elétricas. Tiveram muitos adeptos, continuam a vender-se, mas nunca destronaram as manuais. Por cá, uma startup do Porto, acaba de lançar um aparelho de barbear com garantia vitalícia e lâminas a preços muito abaixo do mercado. Apesar de ser um negócio com barbas, é só para quem tem barba rija.