Sabemos que... o rei está nú!…

 

 

Quem não conhece a história

Do Rei que estava despido,

E, o seu povo oprimido

Com receio de Belzebu,

De maneira simplória,

Não lhe faziam cobrança,

Foi preciso uma criança

Gritar que... “O Rei está Nu!...”

 

Em sentido figurado

Há tanto Nú pelo mundo

Com cara de moribundo,

Enchendo bem o baú.

E, tudo à volta calado.

Conhecem bem o ladrão,

Mas, até palmas lhe dão

Sem gritar... “O Rei está Nu!...”

 

Cá pela regedoria,

Até há malabaristas

Com erros a dar nas vistas,

Que o povo, num sururu

Vai ouvindo dia a dia

O que parece uma fita,

Se bem que não se acredita,

Ninguém grita… “O Rei está Nu!...”

 

Agarrados aos Partidos

Com tamanha devoção,

Não lhes interessa a nação

E o povo engole cru

Os seus discursos fingidos,

Com promessas de agradar,

Fazendo o povo calar,

Sem ver que... “O Rei está Nu!...”

 

Lá pela América do Sul,

Os larápios são aos mil,

Pois, não é só no Brasil,

Argentina ou o Perú,

Que a coisa não tem taful

E o povo em dobadoira,

Vendo quando a coisa estoura.

Sem gritar... “O Rei está Nu!...”

 

O Brasil, actualmente

Trouxe sardinhas ao prato,

Com o célebre Lava Jato,

Todos que tem preso o cú

Foi-lhes aberto o destino,

Passados a pente fino

Mas… ainda o Rei está Nu!

 

 

A diferença Brasileira,

É, ter uma oposição

Sempre ao lado do ladrão,

Defendendo o gabiru

E os fundos d’ algibeira

Das Leis que o país tem

Só passa as que lhes convém

É calar, que “O Rei está Nu!...”

 

 

Não vou falar da mistela,

Do horror que tem passado

Um povo bem castigado

Por um triste urubu

Na célebre Venezuela.

Nação próspera gente boa,

Onde há muita pessoa

Sem ver que “o Rei está Nu!...”

 

Também lá no Oriente

Nota-se muito alarido,

Algures meio escondido

Mas há tanto urubu

Fingindo homem decente,

Que toda a gente bem sabe

As propinas que lhe cabe

Ninguém grita...“O Rei está Nu!...”

 

 

P.S.

 

O mundo está em revolta,

É aquele que mais pode,

Gritam, mas ninguém acode

Quem manda, é Belzebu!

Anda tudo à redea solta,

Do modo que a coisa anda,

Já não se sabe quem manda

O motivo… “ O Rei está Nu!...”

 

Olhem, vejam o Rei despido,

Visível e transparente

Anda sempre à nossa frente

Num gurgulhar de Peru

Com seu naris bem caído

Ele anda bem disfarçado,

A pesar de bem fardado,

Reparem bem… Está Nu!…

 

A roupa que traz vestida,

Invisível, certamente,

Feita de suor de gente

Que, sem uma sensatez

Vem de milhões revestida

Vestida ou não vestida,

Vê-se bem sua nudez!…

 

Com tanto p’ ra declarar,

Desculpem, eu vou parar!…