Celebrar Portugal sempre... mesmo em tempo de pandemia

 

 

Esta edição do Portuguese Times coincide com o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades. 
Mesmo em tempo de pandemia, a verdade é que nada impede que celebremos este dia de forma exteriorizada, embora sem o aglomerado dos arraiais, paradas e convívios. Algumas comissões organizadoras nos EUA irão fazê-lo com restrições, mas com o mesmo entusiasmo e patriotismo de sempre, cingindo-se às mais simbólicas manifestações de portugalidade e adaptadas às novas realidades da atual situação de saúde pública que atravessamos.
Celebramos a nossa cultura, língua e identidade de forma orgulhosa e patriótica aqui nos Estados Unidos, este grande país que nos acolheu de braços abertos, com quem Portugal mantém profundas relações históricas de amizade e para as quais muito têm contribuído os portugueses aqui residentes ao longo de mais de duzentos anos.
Efetivamente as comunidades portuguesas nos Estados Unidos têm desempenhado um papel importante no reforço dessas relações entre os dois países como também têm contribuído de forma inequívoca para o enriquecimento cultural, social e económico deste país e isso manifesta-se através de diversos sinais e concretizações dessa presença, de costa a costa, de tal forma que são publicamente reconhecidas tanto a nível municipal, estadual e federal. Há muitos exemplos de individualidades e coletividades que têm merecido esse reconhecimento público tanto por parte das mais altas entidades deste país como ainda da terra de origem, precisamente pela forma como cultivamos e incutimos nos nossos filhos e netos os mais sublimes valores e virtudes que nos elevam a uma dimensão humana de realce, para além do contributo em várias áreas de atividade: inovação, ensino, investigação, ciência, arte, desporto, etc. e isso é sem dúvida motivo de orgulho para todos nós. 
Celebrar Portugal nos Estados Unidos assume esse papel de responsabilidade para as comunidades lusas, na sua missão dupla de afirmação e identidade cultural, preservando consequentemente as suas raízes e ao mesmo tempo assimilando os costumes e a cultura do país de acolhimento.
A mais útil e importante ferramenta para o desenvolvimento de Portugal tem sido, sem dúvida, a língua, hoje considerada uma das quatro línguas europeias de expressão mundial e aqui, para além do papel decisivo dos vários agentes culturais e de um reconhecido esforço neste sentido por parte dos sucessivos governos portugueses, há que salientar outros agentes importantes na divulgação e promoção da língua e cultura nos EUA, a começar pelos centros, institutos e departamentos de estudos portugueses dos vários estabelecimentos de ensino superior, com o apoio incondicional do Camões I.P. e da Coordenação do Ensino de Português nos EUA, através da realização de diversas iniciativas direcionadas à promoção e expansão do ensino da língua de Camões a todos os níveis. Há uma maior consciencialização da importância de se falar português, com largas vantagens económicas, como língua de futuro e de herança cultural.
Já por diversas vezes aqui referimos o papel não menos importante das estruturas associativas portuguesas de costa a costa e da comunicação social, ambos comprometidos nesse papel de preservação e de reforço da identidade cultural, conscientes de que é necessário, embora não seja tarefa fácil, o rejuvenescimento desses sinais. Há associações que são autênticos viveiros de juventude que cultiva as tradições, designadamente na vertente popular.
No que se refere à comunicação social lusa dos EUA, podemos afirmar, com base num conhecimento profundo (já andamos nisto há mais de quatro décadas) que estes órgãos funcionam e sobrevivem fundamentalmente com o apoio do tecido empresarial, que vê neles não apenas veículos importantes na expansão e promoção da sua atividade e produtos como também arautos da vivência comunitária e instrumentos de divulgação das tradições lusas por estas paragens.
É ainda neste contexto de dupla cidadania que devemo-nos sentir orgulhosos das nossas concretizações, do nosso contributo para o desenvolvimento, em todas as suas componentes, dos dois países e para o reforço das relações bilaterais.