Portuguese Times: 50 anos

 


Instrumento de defesa da língua e cultura portuguesas
arauto das iniciativas comunitárias lusas da Nova Inglaterra 
e património cultural da comunidade portuguesa dos EUA

 

O Portuguese Times, semanário de língua portuguesa fundado em Newark, New Jersey, celebra o seu cinquentenário de publicação ininterrupta. Fundado em 1971 por Augusto Saraiva, em New Jersey, foi adquirido em 1973 pelo saudoso António Alberto Costa e em janeiro de 1974 assentou praça no 152 da Rodney French Boulevard, em New Bedford.
PT tem desempenhado ao longo deste meio século de existência um papel relevante na defesa, divulgação e promoção da língua e cultura portuguesas nos Estados Unidos. 
Com circulação nacional e assinantes em quase todos os estados do país, Portuguese Times tem sido­ um elo de ligação entre as várias comunidades e a terra de origem, desempenhando um papel que visa o fortalecimento das relações e valorização de Portugal e das suas comunidades. O PT tem ainda contribuído para refor­çar o movimento associativo nas comuni­dades portu­guesas num papel impor­tante na divul­gação e valorização das mais variadas atividades e iniciativas das largas centenas de organizações que proliferam pelos EUA, em particular pela Nova In­glaterra, as quais, tal como o PT, constituem autênticos pilares de defesa dos nossos costumes e tradições e paralelamente a isso veículos de integração social e política neste grande país que nos acolheu de braços abertos.
Portuguese Times tornou-se num jornal de refe­rência das comunidades, graças ao trabalho de um grupo de funcionários que com todo o seu esforço, dedicação e, porque não dizê-lo, paixão, deram um enorme contributo para o seu engradecimento. Aqui é justo salientar o trabalho dos seus antigos diretores, os saudosos António Alberto Costa e José Gama e ainda Manuel Adelino Ferreira e de muitos outros fun­cionários e colaboradores.
O sucesso do Portuguese Times passa por todos e também pelos seus antigos proprietários: os saudosos Joseph Fernandes, Richard Aldrich, João Rocha e do atual proprietário, Eduardo Sousa Lima, que por sua vez soube manter este barco sempre seguro mesmo em tempo de algumas tempestades passageiras, como esta que estamos a atravessar.
Os depoimentos e testemunhos publicados neste suplemento por entidades dos mais variados qua­drantes sociais da comunidade e por alguns dos nossos cola­boradores em Portugal autentificam este papel relevante do jornal no seio da sua comunidade.
Esta cinquentenária publicação em língua portuguesa foi reconhecida pela Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas quando, em setembro de 1996, foi atribuída placa de Mérito das Comunidades Portuguesas, grau ouro e por ocasião das suas bodas de prata.
Portuguese Times conseguiu solidificar o seu prestí­gio e estruturar a sua presença no seio de uma comuni­dade que se mantém ainda vivamente inte­ressada e atuante em relação ao que vai acontecendo no seu país de origem. E aqui o PT tem cumprido plenamente essa ligação de duplo sentido, levando aos seus leitores uma informação objetiva e atualizada sobre o que acontece no Portugal de hoje e sendo por outro lado o arauto da vivência comu­nitária e associativa dos portugueses aqui residentes.
Temos a perfeita consciência do nosso espaço e para quem fazemos o jornal e também sabemos que o primeiro grande desafio é a sustentabilidade e equi­líbrio financeiro, porque sem ovos não se podem fazer omeletes. Depois vem o desafio de captar mais leitores mantendo o jornal estritamente em língua portuguesa e o aproveitamento das novas tecnologias para uma maior expansão desta iniciativa surgida em 1971. E isso faz-se com conteúdos apelativos e que digam respeito à comunidade onde estamos inseridos, a qual gosta de retratar-se. Neste aspeto, o PT tem sofrido alterações ao longo dos anos: de início era um veículo informativo mais virado para o que passa­va na terra de origem, pois que a corrente imi­gra­tória era ativa e intensa. Contudo, com a estagnação desse fluxo migratório e com outros meios tecnológicos e canais de divulgação diários, o PT transformou-se mais num arauto das iniciativas comunitárias, com diversos aponta­mentos de reportagem e notícias do meio onde está inserido. 
Desde 1971 Portuguese Times tem testemunhado e registado momentos verdadeiramente marcantes na sociedade portuguesa, como por exemplo, a Revolução Portuguesa do 25 de Abril de 1974 e que este jornal deu obviamente largo destaque, num momento em que a comunidade portuguesa destas paragens não dispunha de grandes meios que proporcionassem uma informação mais rápida e atualizada, como hoje existem.
Outro momento que PT sublinhou com o destaque merecido: o sismo de 1980 que assolou as ilhas açorianas Terceira, Graciosa e São Jorge, tendo causado mais de meia centena de vítimas.
Os sismos 1973 no Pico e no Faial e 25 anos mais tarde, 1998 na ilha do Faial, mereceram também largo destaque nas páginas deste semanário.
Registe-se que em ambos os eventos trágicos, PT deu conta e ofereceu incondicionalmente espaços a movimentos de solidariedade nas comunidades lusas dos EUA.
Aqui pelas comunidades da Nova Inglaterra, Portuguese Times tem sido realmente um arauto das iniciativas culturais da comunidade que vão sendo aqui registadas e que podem eventualmente ser consultadas para futuras gerações que se interessam pela história da comunidade portuguesa dos EUA em geral e da Nova Inglaterra em particular. É assim um repositório da memória coletiva da comunidade.
As Grandes Festas do Espírito Santo da Nova Inglaterra, que se realizam anualmente desde 1986 em Fall River, a festa do Santíssimo Sacramento promovida pela comunidade madeirense em New Bedford, com 105 anos de existência, as festas em honra de Nossa Senhora de Fátima nas comunidades portuguesas de Ludlow, Cumberland, Stoughton e Hudson, as celebrações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades em Massachusetts e Rhode Island, bem como um rosário de eventos culturais que proliferam nesta região, têm merecido lugar de destaque nas edições semanais deste semanário.
Entre muitas reportagens, histórias e entrevistas, destacamos a aventura do imigrante micaelense Daniel Melo, quando a 09 de setembro de 1960, com apenas 17 anos de idade, viajou a partir da ilha de Santa Maria no trém de um avião da LAV (Linhas Aéreas Venezuelanas) com o objetivo de chegar aos EUA. A aventura deu até origem à publicação de um livro recentemente publicado por Pedro Almeida Maia e para o qual a entrevista do saudoso Raimundo Delgado, na edição de 26 de fevereiro de 1981, foi um importante contributo.
PT tem desempenhado o seu contributo na divulgação e promoção da língua e cultura e da vivência comunitária lusa por estas paragens em parceria com as diversas presenças lusas centenárias que proliferam nesta região dos EUA, designadamente associações, organizações cívicas e culturais e igrejas, constituindo uma frente sólida e consistente no reforço dessa afrimação e identidade cultural.
No que se refere a conteúdos, Portuguese Times tem apresentado ao longo dos anos uma excelente secção de crónicas com prestigiados colaboradores que abordam os mais diversos temas, a informação útil (advocacia, saúde, segurança social, etc...), Artes e Espetáculos, a Gazetilha, Culinária e o Desporto e, claro, as notícias, numa perspetiva étnica e que interessam à comunidade e ainda largas dezenas de reportagens sobre eventos comunitários, que constituem o “prato forte” deste semanário.
Acrescente-se que PT mantém colaboração com outros órgãos de informação em Portugal Continental, nomeadamente com a RTP Internacional, em programas como “Palavra aos Diretores” e “Portugal em Direto” e na Região Autónoma dos Açores existe uma parceria com o Diário dos Açores e colaboração esporádica com outros meios de comunicação social.
Ainda em matéria de parcerias com outros órgãos de informação da comunidade, há vários anos que PT colabora com as rádios WJFD-FM em New Bedford e com a Rádio Voz do Emigrante, em Fall River e o Portuguese Channel.  
Finalmente refira-se que Portuguese Times sai hoje à rua graças ao trabalho de dedicados funcionários: o autor destas linhas, Augusto Pessoa, Eurico Mendes, Alda M. Freitas, Vasco Pedro, Maria Novo e Olinda Lima e ainda dos vários colaboradores, sob a supervisão de Eduardo Sousa Lima.
Muito obrigado aos nossos patrocinadores, colabo­radores, assinantes e leitores, na certeza de que conti­nuaremos a trabalhar para manter de pé este projeto iniciado por Augusto Saraiva, em 1971.