Chocolate como antidepressivo

 

 

Não serão todos os dias que a medicina diz que algo que toda a gente gosta é bom para a saúde. Depois do azeite, vinho tinto, sardinhas, etc., agora é a vez do chocolate dito escuro (ou amargo) ou seja, o com maior teor de cacau e menos açúcar.
Um estudo feito a 13 mil residentes dos EUA relacionando o consumo de chocolate escuro (“dark chocolate”) e níveis de depressão, parece indicar que quem come chocolate tem 70% menor probabilidade de depressão, especialmente os que consumiram chocolate nas últimas 24 horas. 
Ao que parece, estes resultados são independentes do efeito do prazer de comer – note que a maior parte dos inquiridos preferiam comer chocolate doce de leite (“milk chocolate”), mas pode ser possível que as pessoas já de si mais saudáveis prefiram comer o chocolate amargo. De qualquer modo, alguns benefícios do chocolate são conhecidos desde há muito: prevenção de doenca cardio-vascular, diabetes e declínio da memória. Agora este estudo parece validar o efeito antidepressivo do chocolate amargo. 
Já era bem sabido que doentes com depressão muitas vezes tinham ânsias por chocolate e outros indicam que o chocolate alivia a sua irritabilidade e nervosismo, com efeito antidepressivo mais notável nos meses de inverno e na disforia pré-menstrual. Outros estudos já tinham apontado para as propriedades antidepressivas do chocolate, mas só agora se estudaram as propriedades específicas do chocolate amargo (escuro).
Há varias substâncias no chocolate que podem ser responsáveis por esse efeito: os flavanoides, que protegem o funcionamento do cérebro e melhoram os estado de espírito e memória (também presentes no vinho tinto, bagas, maçãs, citrinos e chá); a cafeína e teobromina, que como todos sabemos têm efeito imediato na energia e capacidades cognitivas - cacau é a maior fonte de teobromina; a feniletilamina, que aumenta os níveis dos antidepressivos naturais como adrenalina, dopamina, e acetilcolina; e finalmente as aciletanolaminas, um canabinoide natural com efeitos ansiolíticos e euforizantes. Dito isto, convém lembrar o leitor que o chocolate também pode causar problemas, como insónia, enxaquecas (“migraines”), “pedras nos rins” e problemas dentários. 
Curiosamente, alguns destes benefícios são conhecidos há mais de 30 anos. Um estudo de 1990 mostrou que médicos que comiam chocolate (no caso foram os Hershey’s Miniatures) faziam melhores diagnósticos, mesmo se só os consumissem depois do trabalho. Vou comprar o saco grande…
Haja saúde!