Unimos mais fortes somos

 

A comemoração do dia de Portugal em Boston foi a confirmação da energia portuguesa e luso portuguesa congregada por uma causa que deve ter surpreendido a população multicultural e multilíngue que habita em Boston.  Boston (Massachusetts) por ser uma cidade universitária, a oportunidade de fazer parte do sucesso tecnológico, eletrónico, digital e humano atinge todos os níveis sociais, educacionais e técnicos, onde as filhas e os filhos dos imigrantes, independentemente de terem raízes açorianas, madeirenses ou continentais, hoje, na sua maioria fazem parte do tecido social (mainstream) e profissional Norte Americano.

A celebração/festival começou cedo, mas a comitiva presidencial chegou tarde, uma hora, todavia a responsabilidade como sempre foi da SATA. Muitos milhares de portugueses e seus descendentes encheram a praça da Câmara Municipal de Boston (City Hall Plaza) para celebrar o 10 de Junho de 2018 com o Exmo. Sr. Marcelo Rebelo de Sousa, presidente da República Portuguesa, acompanhado por António Costa, primeiro ministro de Portugal e por Vasco Cordeiro, presidente do Governo Regional dos Açores, região donde provêm a maioria dos imigrantes na costa leste dos EUA, sobretudo em Massachusetts e Rhode Island.

As palavras proferidas pelos governantes de Portugal foram respeitosas, motivadoras e encorajadoras, enaltecendo a qualidade do trabalho que os portugueses fazem a todos os níveis profissionais nos EUA, realçando também o desenvolvimento que Portugal atingiu nas últimas décadas, sendo hoje um país acolhedor e atrativo para se viver na UE. Não faltou o encorajamento ao regresso, bem como as visitas regulares acompanhadas por filhos(as), netos e bisnetos que mais facilmente podem explorar e viver a cultura local, de modo que a língua portuguesa seja compreendia, despertando o interesse pela sua aprendizagem.

O festival foi alegre e positivo manifestando a satisfação dum povo que todos os dias luta para subsistir num país competitivo, complexo e difícil, dando às presentes e futuras gerações melhores condições de vida, educação e emprego, compensando para muitos o que não conseguiram atingir na terra natal.  Os jovens, bem como muitos adultos (30 e 40 anos) perderam a fluência da língua portuguesa, contudo não lhes falta a cultura açoriana ou a continental que os mais idosos (avós) lhes ensinaram, como a atividade social, as festas religiosas, gastronomia e o respeito mutuo, enquanto os pais e mães se esforçaram para não faltar, nem um dia que fosse à sua ocupação profissional, atitude muito reconhecida no mercado do trabalho. Há sempre uma preocupação com a cultura e conhecimento do português falado/escrito, porém quem conhece a cultura de um povo tem, na sua maioria, curiosidade em aprender o idioma falado pelo mesmo. É bem possível que todas as bibliotecas pelo mundo fora tenham a história de Portugal em diferentes línguas, porém hoje na Internet há acesso a toda a informação histórica e literária criada/produzida no continente ou nas regiões autónomas portuguesas. A comemoração do dia de Portugal nas Comunidades Portuguesas dispersas pelo mundo marca a presença de um povo que se sente aceite, confortável e respeitado no país de acolhimento. E a vinda do presidente de Portugal e primeiro ministro para o efeito muito louvou a comunidade imigrante.

Organizar um festival com esta dimensão, onde a música, o folclore, a comida regional, as filarmónicas e até uma exibição de cavalos lusitanos, requer tempo e colaboração de algumas empresas, bancos e outras companhias empreendedoras da comunidade. Agradecer aos/às organizadoras do festival, bem como ao Sr., Cônsul-Geral de Portugal em Boston, José Rui Velez Caroço é o reconhecimento mínimo que lhes pode ser prestado.