Mal entendidos em famílias

 

 

 
Familiares desunidos expressam tristeza, solidão e dor que relacionamentos familiares ruins podem causar. A família é o primeiro núcleo social ao qual pertencemos quando nascemos e é muito importante para qualquer ser humano se sentir integrado, acolhido e amado dentro de sua família. Quando não é esse o caso, podemos sentir a mais absoluta solidão, pois, se não podemos confiar na nossa própria família pode ser muito difícil confiarmos totalmente em alguém.
 No dia a dia às vezes o que mais cansa não é tanto o trabalho exigente ou as explicações pormenorizadas, mas os mal-entendidos, o desconversar, os esclarecimentos que não esclarecem nada. "Digo uma coisa e percebem outrA", "não foi isso o que eu entendi…", "não sei se clarifiquei bem a situação", "então ninguém ouviu o que eu disse?!" são desabafos comuns.
 O mundo é para cada um de nós aquilo que vivemos com outros conforme ao que cada um é. O que as coisas são para nós não quer dizer que assim sejam para os outros. Falar não quer dizer que alguém oiça. Nem ouvir quer dizer que quem ouve compreenda. E mesmo compreender não quer dizer que quem compreendeu o que dissemos faça o que nós esperamos; é um problema. A comunicação pode se tornar um problema problema se não o fizermos com clareza.
 Em primeiro lugar, talvez o mais razoável seja partir do princípio que o outro, porque é outro, não me compreenderá necessariamente; ele tem as suas experiências, conhecimento, expectativas e interesses. Depois, aceitar que quem nos compreenderá mais facilmente será em princípio quem está connosco, no mesmo local e no mesmo tempo. Ora, se é assim então o entendimento por email, telemóvel, ou qualquer outro meio de comunicação é naturalmente mais difícil.
 Talvez possa dizer-se que é preciso primeiro entendermo-nos no relacionamento face a face para que aqueles meios de comunicação digital funcionem bem. Por isso, às vezes, quando as pessoas trocam e-mails lá sai um mal entendido por isso iisso temos que falar pessoalmente.
 O desafio da comunicação não é de facto falar, mas ser ouvido.  O objectivo final é obter o resultado desejado, ou seja, que quem me ouve tenha em conta aquilo que eu disse e faça aquilo que eu pretendo ou espero que faça. E nada garante que o outro, mesmo que me compreenda, faça o que eu quero. "Então não expliquei tudo tim-tim por tim-tim?", perguntamos por vezes surpreendidos… "Sim, mas apeteceu-me fazer outra coisa", respondem.
 O entendimento não é fácil. Falar é o caminho, mas ouvir é o que faz a diferença.
 Há no entanto uma estratégia geral que facilita o bom relacionamento e por isso o entendimento entre as pessoas. É baixar a incerteza. Não apenas falando, mas expressando-nos positivamente com gestos e sorrisos. À medida que a conversa avance olharmos as semelhanças, as similaridades entre nós e com quem estamos a falar. As parecenças aproximam as pessoas. E por fim, para se ser entendido, é sempre  bom constatar que se têm amigos comuns.
 Infelizmente nos últimos anos tem-se criado um ambiente agonizante quando se trata de comunicar ideias e os mal entendidos são hoje mais do que nunca predominantes na nossa sociedade e de notar que isto acontece principiando nos mais altos niveis politicos e até mesmo religiosos onde grupos com diferentes ideologias teimam estar no lado da razão, da verdade e da justiça quando na realidade muitos estão muito longe de qualquer dos três e tudo isto se reflecte na sociedade e nas famílias que acabam por se desunirem no lugar de se tentarem entender.
 Ah, se as famílias seguissem o examplo dos nossos antepassados, que embora imperfeitos, davam-nos lições de moral, de honestidade e de integridade, talvêz o mundo de hoje fosse muito melhor.
 Para os pais que não falam com seu filhos, para os irmãos que estão de mal com seus irmãos, para netos que não respeitam as ideias dos avós, para sobrinhos que ignoram seus tios e assim continuamente, parem por um momento, façam uma pausa nas vossas vidas e pensem que o novo ano de 2021 será extraordinariamente mais belo se puzermos de lado o nosso orgulho e a nossa vaidade para vivermos em perfeira harmonia e sermos novamente uma família unida.
 
António Teixeira
Fall River, MA