Os portugueses André Braz e Diogo Varela Silva premiados no Mesa International Film Festival


Terminou dia 5 de dezembro a edição de 2021 do Mesa International Film Festival, que reuniu filmes provenientes de 54 países e contou com duas vitórias de realizadores portugueses. 
A edição deste ano teve, aliás, um carinho especial com Portugal através de uma secção inteiramente dedicada ao talento luso com o nome de “From Portugal with Love” e que foi da responsabilidade da agência de relações públicas Plusable.
Das 20 participações portuguesas, que incluíram três documentários, dois vídeo-clips e quinze curtas metragens, saíram dois vencedores: “Dream Big” realizado por André Braz com produção da Bro Cinema para a Betclic, na categoria de Melhor Documentário Internacional, e “Zé Pedro” Rock n’ Roll, realizado por Diogo Varela Silva, na categoria de “Indian’s Pick” (escolha do organizador do festival).
Rui Pereira, mayor da cidade de Wickenburg e cônsul honorário de Portugal foi quem recebeu os prémios em nome dos premiados e não escondendo o seu orgulho.
“Hoje celebramos um marco histórico da relação entre Portugal e Arizona. Esta exposição da qualidade do talento português neste estado parece-me uma forma estratégica de nos aproximarmos de criadores portugueses assim como a empreendedores. Este estado oferece várias oportunidades que podem ser benéficas para Portugal. Gostaria de dar os parabéns à organização desta iniciativa do “From Portugal with Love!” e a todos os realizadores portugueses que participaram”, rematou Rui Pereira.
A somar à presença lusa, a grande atração do festival foi o filme CODA (“No ritmo do coração”), que conquistou o Festival de Sundance na sua estreia e que a Apple comprou por 25 milhões de dólares. 
Natural de Mesa, o ator Troy Kotsur, que no passado dia 29 de novembro ganhou um prémio Gotham em New York, pela sua notável prestação no filme, tornou-se no primeiro ator surdo a orgulhar-se do feito e marcou presença no festival. Kotsur, que interpretou o personagem de um pescador, aproveitou a ocasião para dar conta do apoio da comunidade de pescadores portugueses de Gloucester, Massachussets, durante as filmages.
“Inicialmente tinham pensado em duplos para as filmages das cenas de pesca. No entanto, fui muito bem acompanhado por pescadores, na sua maioria portugueses, que me receberam de braços abertos e me expuseram a um universo fascinante, de muita coragem e boa disposição. Foram de tal maneira pacientes e eficazes comigo que nem precisei de duplo”. 
Rui Pereira é natural de Esposende, norte de Portugal, e reside desde 1980 nos Estados Unidos. Tem formação em operações hoteleiras e tecnologia da informação. Começou a sua carreira como treinador de software e gerente de projetos para a Micros Fidelio Software instalando sistemas na América do Sul e no Caribe.