EUA criam unidade para investigação do terrorismo interno

 

O Departamento de Justiça dos EUA vai criar uma nova unidade vocacionada para investigação dos atos de terrorismo interno face às ameaças de grupos extremistas domésticos, anunciou dia 12 de janeiro, no Senado, Matthew Olsen, responsável pela segurança nacional. 

Seguir as atividades de quem cometa atos criminosos e de violência extrema com o pretexto de garantir objetivos políticos, é a missão do organismo anunciado no Senado menos de uma semana depois de ser assinalado (a 6 de janeiro) o primeiro aniversário do assalto ao Capitólio protagonizado por centenas de apoiantes do ex-presidente Donald Trump (2017-2021), em que morreram cinco pessoas. Na sua comparência perante o Comité de Justiça do Senado, Olsen recordou que esse acontecimento continua a ser investigado e que até ao momento foram indiciadas 725 pessoas. Olsen acrescentou que os extremistas violentos estão motivados “por uma mistura de ideologia e de crenças religiosas” e assinalada pela “hostilidade racial” e os sentimentos “contra o Governo e contra a autoridade”.

O diretor do FBI, Christopher Wray, disse ao Congresso que o número de investigações federais sobre “terrorismo doméstico” dobrou de 1.000 para 2.000 desde que assumiu o cargo em 2017.