Mensagem do Diretor Regional das Comunidades José Andrade, nos 50 anos do Portuguese Times

 

A comunicação social assume importância estruturante na construção, na preservação e na promoção do sentimento de pertença a uma comunidade distinta.
Com a televisão, a rádio ou os jornais, ganhamos consciência da vivência coletiva e, através da insubstituível imprensa, arquivamos para memória futura os momentos determinantes da nossa identidade e da nossa geografia. 
Antes de mais e acima de tudo, os órgãos comunitários de comunicação social na América do Norte prestam um contributo decisivo para a desejada resiliência da língua portuguesa, falada e escrita.
Mas, por muito importantes que sejam os meios audiovisuais e as novas formas de comunicação digital, nada substitui o jornal – e, em especial, o jornal impresso, que podemos folhear e guardar, para sentir a pulsação da comunidade local ou para aconchegar a saudade da terra natal.
Merece, por isso, a devida congratulação e o adequado louvor constatar a longevidade de um jornal convencionalmente impresso em papel, num tempo e num espaço de crescente pressão digital.
Com os 50 anos que agora comemora, o Portuguese Times destaca-se como um caso raro de orgulhosa resistência, que muito nos honra. Não apenas na cidade de New Bedford, mas no Estado de Massachusetts e em toda a Nova Inglaterra. 
Está entre os mais antigos jornais portugueses ainda em publicação nos Estados Unidos da América, partilhando este feito notável com outros títulos emblemáticos como o Luso-Americano (Newark, New Jersey), com 93 anos; O Jornal (Fall River, Massachusetts), com 46 anos; ou o Tribuna Portuguesa (Modesto, Califórnia), com 42 anos.
Já honra o histórico legado da imprensa luso-americana, que remonta mesmo ao século XIX, com A Voz Portuguesa (San Francisco, Califórnia), fundado em 1870, ou o Jornal de Notícias (Eire, Pennsylvânia), editado em 1877.
O Portuguese Times merece o nosso convicto aplauso na meritória comemoração das “bodas de ouro” da sua publicação.
Estão de parabéns o seu diretor e editor Francisco Resendes, o seu administrador Eduardo Sousa Lima, os seus redatores Eurico Mendes, Vasco Pedro e Alda Freitas, o seu repórter e fotógrafo Augusto Pessoa, os seus colaboradores, os seus anunciantes, os seus leitores – de ontem e de hoje –  todos contribuindo para a sua antiguidade e, mais ainda, para a sua afirmação, não obstante a dificuldade acrescida dos tempos que correm.
Este jornal desenha-se no passado, consolida-se no presente e projeta-se no futuro, como causa e consequência da própria identidade da nossa comunidade.
Por isso estão também de parabéns os portugueses em geral, e os açorianos em especial, que assim orgulham a sua terra no outro lado do Atlântico.
Dos Açores, para a Acushnet Avenue, vai um abraço carregado de admiração e agradecimento.
Longa vida ao Portuguese Times!

 

José Andrade
Diretor Regional das Comunidades do Governo dos Açores