Luisão, antigo defesa do Benfica, foi a grande atração nas celebrações do Dia de Portugal em New Bedford

 

 

As cerimónias de abertura das celebrações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades em New Bedford contaram este ano com a presença de uma figura especial: Luisão, antigo defesa e capitão do Sport Lisboa e Benfica, que se viu rodeado do carinho e dos aplausos de muitos adeptos do desporto-rei e do clube lisboeta em particular.
O internacional brasileiro aproveitou esta deslocação para promover a vinda do Benfica a estas paragens, em julho próximo, no âmbito do International Champions Cup, que se disputa em várias localidades dos EUA e ainda em outros continentes, como Ásia e Europa.
Como se sabe, o Benfica, defronta, a 28 de julho, no Gillette Stadium, em Foxboro (3:00 PM), o AC Milan, de Itália, depois de defrontar em Santa Clara, Califórnia, o Guadalajara, do México (20 de julho, Levi’s Stadium), e a AS Roma, a 24 de julho, em New York (Red Bull Arena).
Acompanhado por uma equipa de jornalistas da Benfica TV, de um elemento de marketing e relações públicas do Benfica, e ainda de Allie Michel, gerente de relações públicas da firma que promove o ICC, Luisão integrou a mini-parada da passada sexta-feira do Dia de Portugal em New Bedford, entre a igreja de Santo António de Pádua e o parque junto à Rite Aid Pharmacy, no palco principal das festas.
Na mini-parada desfilaram ainda alguns conselheiros municipais de New Bedford, Maria Tomásia, comissária de eleições de NB, Roberto Medeiros, coordenador e responsável pela exposição de artesanato na Acushnet Avenue, Manuel Melo “Mesquita”, do Consulado de Portugal em New Bedford e representando a cônsul Shelley Pires (à mesma hora estava em Fall River, na cerimónia do içar das bandeiras), Dulce Matos, presidente da comissão organizadora das celebrações em New Bedford, acompanhada de outros elementos da sua equipa e a Banda do Senhor da Pedra, que interpretou os hinos de Portugal e EUA.
Ricardo Farias foi o mestre de cerimónias. Usaram da palavra Dulce Matos e alguns conselheiros presentes, com Manuel Melo “Mesquita” a ler uma mensagem da cônsul Shelley Pires.
Na sua intervenção, Luisão mostrou-se sensibilizado da forma como foi recebido.
“Saúdo não apenas os benfiquistas como todos os desportistas e portugueses em geral que aqui estão e é para mim uma grande honra estar aqui junto de vós neste evento especial que é o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades. Muito obrigado por esta magnífica receção e carinho de que fui alvo e viva o Benfica”, salientou Luisão quando se dirigiu aos presentes na cerimónia de abertura das celebrações do Dia de Portugal em New Bedford, deixando ainda um convite a todos para apoiarem o Benfica no jogo do dia 28 de julho no Gillette Stadium, em Foxboro, integrado no International Champions Cup e em que defronta a poderosa equipa italiana do AC Milan.
Pouco depois, Luisão dirigiu-se à Casa do Benfica em New Bedford, tendo sido recebido pelo atual presidente, José Toledo, e tal como se esperava, por fervorosos adeptos do clube da Luz, que não se cansaram de dar vivas ao seu clube e ao internacional brasileiro, num ambiente de grande empolgância e de verdadeira loucura, que deixou o antigo capitão benfiquista sensibilizado e que não teve mãos a medir para tirar fotos, “selfies” e assinar autógrafos.

“Esta receção de que fui alvo foi sinceramente espetacular, representando aqui o Benfica, perto dos imigrantes portugueses e aqui junto da Casa do Benfica em New Bedford foi, não tenho palavras para agradecer este carinho”, começou por dizer em breve entrevista ao Portuguese Times, o antigo defesa do Benfica, que referiu o papel importante das Casas do Benfica na divulgação e promoção do clube lisboeta por esse mundo fora.
“O nosso presidente Luís Filipe Vieira sempre disse que as Casas do Benfica são instrumentos fundamentais para expandir o nome do Benfica pelo mundo e eu acho que cada casa é sem dúvida uma estratégia para o Benfica crescer e é importante que estas casas tenham a noção desta proximidade com o clube, que por sua vez tem essa obrigação em apoiar”.
Questionado sobre se a dada altura, quando o Benfica estava a sete pontos do líder do campeonato, houve um sentimento de descrédito e de toalha ao chão, Luisão foi peremptório:
“Quem veste a camisola do Benfica não pode desistir e o Benfica é sempre um clube que se supera e em todo o momento os jogadores sempre pensaram que poderiam ganhar este título e foi isso que veio exatamente a acontecer, graças a essa persistência e confiança de todo o plantel de que as coisas a determinada iriam mudar... Este campeonato da reconquista foi sem dúvida a vitória do acreditar sempre e de nunca desistir”.

Apontado como a voz e o líder do grupo no balneário, Luisão salientou que embora não esteja agora fisicamente presente, está sempre a apoiar a equipa, de uma forma ou de outra.
“Não estou presente no balneário mas estou com o coração e o Benfica está a apostar muito na formação e os jogadores que sobem à equipa principal estão bem preparados para assumir os grandes desafios que o Benfica impõe”, concluiu Luisão, numa breve entrevista ao Portuguese Times, durante a sua visita à Casa do Benfica em New Bedford, mesmo ali quase em frente às instalações deste semanário.

 

• Texto e fotos: Francisco Resendes