Ir para a reforma será, obrigatoriamente, sair de cena? Ou, por outro lado, ser um mero “trapo velho”?

 

 

 

“O segredo da felicidade é encontrar a nossa alegria na alegria dos outros”

A “REFORMA” OU “APOSENTAÇÃO” DA ATIVIDADE LABORAL pode ser uma das coisas mais stressantes da vida, isto porque, REFORMAR-SE, significa adotar um novo modo de vida, mas nunca “reformar-se da vida”

A REFORMA, É, CERTAMENTE, MAIS DIFÍCIL para quem isso acontecesse de repente, por motivos de saúde ou similar, bem como para quem tem problemas financeiros ou familiares.

NORMALMENTE, O PRIMEIRO DIA DE REFORMA pode ser muito emotivo, uma mistura de alívio, ansiedade, excitação e confusão de sentimentos comuns. Alguns dos seniores, por outro lado, ganham qualidade de vida, porque, dizem que, gostam da reforma, porque “têm liberdade de encetar projetos criativos para os quais nunca houve tempo”, ou porque “têm liberdade de usar o talento em vez do trabalho”, ganhando igualmente tempo para a família e amigos, para a escrita ou leitura, se necessário, passando a escapar às “horas de ponta” e podendo passar a fazer saudáveis passeios.

NO MEIO É QUE ESTÁ A VIRTUDE. Chega-se à reforma com tudo aquilo que se aprendeu e adquiriu, material, efetiva e espiritualmente. O REFORMADO tem a mesma família, amigos e projetos, saberes e hábitos, necessidades, desejos e sonhos que existiam no último dia de trabalho. A REFORMA deve ser uma libertação e não um drama. Por se adquirir a REFORMA não se fica mais velho. Há, porém, REFORMAS que podem ser dramáticas, quando indesejáveis ou totalmente imprevistas.

UMA REFORMA HARMONIOSA depende do modo como preparamos a nova realidade. Isto passa por avaliar os meios disponíveis (rendimentos, saúde, qualidade de relações familiares e sociais), imaginar o que queremos que seja o nosso desenvolvimento pessoal (atividades físicas, ocupações, novas relações).

O MELHOR REFORMADO é aquele que descobre a mudança, entrando numa nova relação com o espaço e o tempo, delineando objetivos a curto, médio e longo prazo (saborear a companhia da família, praticar uma atividade física, escolher passeios proveitosos). Um conselho amigo: “DEVE-SE DAR CORDA, DE ACORDO COM AS NECESSIDADES DO RELÓGIO”!!

UM REFORMADO DEVE SABER que vai enfrentar uma nova etapa na negociação de conflitos, pelo que deve quebrar barreiras de solidão. O REFORMADO deve estar atento às mudanças do seu estado de saúde, encarando, o envelhecimento, com naturalidade, visto o mesmo retardar muitas funções (por exemplo de ordem digestiva, renal e de visão) ocupando-se e investindo a sério num regime alimentar adequado ao seu estado de saúde e idade.

Comer pouco de cada vez e mais vezes no dia. Viver com os netos e para os netos é do melhor que pode acontecer a um reformado com a situação planeada e alterando formas de vida.

ENFIM, QUEM TEM EM MÃOS a preparação da sua reforma e põe o engenho á prova, reaprendendo a gostar de si mesmo e dos outros, afastando pensamentos sombrios, ganhando alegria de viver (não esquecendo que a vida tem limites), conquistando um lugar no coração daqueles que estão á sua volta, avaliando as atividades sociais em perspetivas, dando lugar á imaginação (lendo, escrevendo, navegando na internet, utilizando o computador, etc.).

PODE-SE ALTERAR FORMAS DE VIDA, que o “novo tempo” permite, tendo refeições a horas, descansos necessários, ver televisão, passear, entre outras atividades. Sugerimos o voluntariado como consultor sénior, numa base descontraída, pode continuar ligado à comunidade. Ou visitar crianças em instituições que tando precisam de um carinho.

APRENDEMOS, POIS, A CONQUISTAR a nossa própria reforma, vivê-la com dignidade, e, depois de uma reforma “preenchida”, tranquila, longa e bem vivida consigo e com os outros, nada melhor que aguardar uma ……. “morte feliz”!!

 

PARA ISSO, É PRECISO que os poderes instituídos saibam respeitas os estatutos estabelecidos, não “calcando” no desprezo, os direitos acordados e assumidos, e não vendo no reformado, um “TRAPO VELHO” da sociedade, ou como um elemento “SAÍDO DE CENA”!!