Seleção portuguesa de andebol qualifica-se para os Jogos Olímpicos de Tóquio ao vencer a França com golo nos últimos segundos

 

A seleção portuguesa de andebol qualificou-se domingo para Tóquio2020, ao vencer por 29-28 à anfitriã França, em Montpellier, com um golo no último segundo de Rui Silva, alcançando um feito inédito com dedicatória a Alfredo Quintana. Numa partida em que estava obrigado a vencer os vice-campeões olímpicos para garantir o apuramento, Portugal entrou mal, esteve a perder por seis golos, aos 7-2 e 9-3, mas recuperou e validou a sofrida qualificação no último segundo.
‘Por Portugal e por ti’, numa referência ao malogrado Alfredo Quintana, que morreu em 26 de fevereiro na sequência de uma paragem cardiorrespiratória, foi o lema que orientou os ‘heróis do mar’ na superação de todas as adversidades.
Sem poder contar com o central Miguel Martons, por lesão, para o jogo decisivo, a seleção lusa entrou algum ansiosa e isso refletiu-se em particular nas ações defensivas, que desequilibraram o marcador em favor dos gauleses.  
A perder por 9-3, com tudo a correr mal para Portugal e tudo a correr bem para a França, a seleção portuguesa começou a rever a derrota por 32-23 sofrida no Mundial2020 e a ver esfumar-se o sonho de marcar presença pela primeira vez nos Jogos Olímpicos.
Com o decorrer do jogo, Portugal começou a acertar na coesão defensiva, onde uma vez mais estiveram bem os guarda-redes Gustavo Capdeville e Manuel Gaspar, e aos poucos diminuiu a desvantagem, que ao intervalo era apenas de um golo (12-13).
Após António Areia ter empatado pela primeira vez aos 13-13, no reatamento da partida, o encontro conheceu empates sucessivos, muito por culpa da boa atuação lusa no aspeto defensivo e no recurso ao uso eficaz ofensivo do sete contra seis. 
Portugal passou para a frente do encontro pela primeira vez aos 18-17, com dois golos seguidos de André Gomes, que marcou cinco, mas a vantagem foi revertida de imediato pelos franceses, que empataram a 18-18 e passaram para a frente aos 19-18.
A França aumentou a diferença para três golos aos 28-25, após um remate à trave de André Gomes, mas a seleção portuguesa acreditou sempre até ao fim e conseguiu ir buscar o apuramento com um parcial de quatro golos seguidos, dois dos quais nos últimos segundos.
Uma interceção de bola nos segundos finais da partida, perante uma desorientada seleção gaulesa, permitiu ao central Rui Silva arrancar para o golo decisivo (29-28), que colocou Portugal nos Jogos Olímpicos Tóquio2020. 
António Areia, com seis golos, e André Gomes, com cinco, foram os melhores marcadores da seleção portuguesa, enquanto que na gaulesa o destaque pertenceu a Hugo Descat, com seis.