Nancy Pelosi em Portugal

 

 

“Mulheres são campeãs a lutar contra corrupção e fortalecer democracia”

– Líder do Congresso dos EUA

 

A presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, considerou segunda-feira que “as mulheres são campeãs a lutar contra a corrupção”, o que equivale a "fortalecer a democracia”, alertando para a situação atual das mulheres no Afeganistão.

“As mulheres são grandes campeãs a lutar contra a corrupção onde quer que ela possa existir e lutar contra a corrupção é fortalecer a democracia”, considerou no seu discurso, no qual algumas vezes se dirigiu ao primeiro-ministro, António Costa, e ao presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, que discursaram minutos antes.

A democrata Nancy Pelosi falava na reunião plenária da 67ª sessão anual da Assembleia Parlamentar da NATO, que decorre em Lisboa, depois de ter recebido o prémio “Women for Peace and Security Award” [Prémio Mulheres para a Paz e Segurança], atribuído pela primeira vez por esta Assembleia.

Nancy Pelosi considerou que a “NATO não é apenas uma aliança de segurança, é uma aliança de valores e há uma coesão construída à volta de valores”, advertindo para regimes autocráticos que desafiam a democracia “em tantos sítios, assim como a corrupção” que frequentemente acompanha esses regimes.

“Um mundo de paz é fortalecido não apenas por segurança, mas é também sobre valores e governança e isso é tão importante”, vincou.

A presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos da América fez ainda referência à situação no Afeganistão, mais concretamente das mulheres – no qual o regime Talibã assumiu recentemente o poder com a saída das forças aliadas.

“Não podemos nunca esquecê-las e quero saudar a NATO, porque foi fundamental para que uma geração inteira, durante 20 anos, de mulheres e meninas que receberam educação que nunca teriam recebido sem a presença da NATO e aliados no Afeganistão. Não podemos deixar isso escapar, temos que manter o nosso foco lá e manter os nossos corações perto delas”, salientou. “Não é só sobre as mulheres, é sobre o que significa para o Afeganistão. Não é só sobre o que significa para o Afeganistão, é o que significa sobre segurança no mundo”, sublinhou.