O mundo da emigração concentrado no globo que domina a Praça do Emigrante na Ribeira Grande em São Miguel

 

 

 

Diz Luís Silva, que concebeu e desenhou o Globo Saudades da Terra: “Não sendo artista projetei uma peça de arte pública desta dimensão”. 
E agora perguntamos: o que é que se pode chamar ao responsável por um projeto desta envergadura que diz não ser artista? Simplesmente Artista.
Luís Silva teve o cuidado de nos dar uma explicação pormenorizada aquando do convívio ribeiragrandense em outubro de 2018. E o projeto teve a sua conclusão com cerimónia de inauguração a 26 de julho de 2020. Um ano, que se não fosse a pandemia, teria no ato de inauguração muitas centenas de ribeiragrandenses radicados pelos EUA e Canadá. 
A peça domina a Praça do Emigrante na cidade da costa norte de São Miguel.
“A designação do globo “Saudades da Terra” corresponde à expressão que Gaspar Frutuoso - o primeiro açoriano emigrante ilustre, filho da ilha de São Miguel e vigário da então Vila da Ribeira Grande - utilizou no século XVI para resumir um sentimento maior, comum aos emigrantes”, sublinha.
No centro da nova praça, que tem a dimensão aproximada de metade de um campo de futebol, o globo representa a terra, com revestimento de calçada portuguesa (calcário branco e negro do continente português). A peça assenta numa pedra de basalto negro, com 1,4 metros de altura e 3,5 metros de diâmetro. O globo “é o mundo dos Açores e os açorianos pelo mundo; o basalto representa as ilhas”, apontou Luís Silva, salientando o papel da Associação de Emigrantes Açorianos e da Câmara Municipal da Ribeira Grande por terem “apoiado o projeto desde o início”.