Numa grande parada, o orgulho português passeou-se altivo entre Somerville e Cambridge

Boston Portuguese Festival

 

 

Saiu da Praça Portuguesa em Somerville. Terminou na Cardeal Medeiros Ave­nue, onde se ergue impo­nente a igreja de Santo António. Por aqui já se deduz a componente pa­triótica que envolve a parada comemorativa do Boston Portuguese Festi­val.

É bonito. É grandioso. É significativo de uma co­munidade que bri­lhou em dia um pouco escuro mas, radiante de portuguesismo, pela Cambridge Street em Cambridge, na parada co­memorativa do Boston Portuguese Festival.

Um festival único em termos de celebrações do Dia de Portugal, onde a componente cultural toma proporções únicas, num aproveitamento das insti­tuições universitárias que abrem as portas à comu­nidade portuguesa, que tem oportunidade de expressar a sua integração aos níveis culturais, empresariais, e porque não dizê-lo asso­ciativo.

Esta última parte apre­sentou-se dignamente pela Cambridge Street uma movimentada artéria que desemboca na cidade de Boston, numa digna parada que retratou o poder das gentes daquela área con­sular.

A parada teve início na Praça Portuguesa em Somerville e concluiu na Cardinal Medeiros Avenue ao lado da igreja de Santo António. Convém subli­nhar que estas placas toponímicas fazem parte dos endereços postais e não são colocadas apenas para receber o desfile come­morativo do Dia de Por­tugal.

Podemos ainda acres­centar que junto da Cardi­nal Medeiros Avenue está a placa Luís Vaz de Camões Square, com direito a gri­nalda de flores anualmente.

Como se depreende, a parada do Dia de Portugal em Cambridge desfila entre pilares da presença portu­guesa, que realçamos na reportagem como forma de lembrar quem somos, não somente durante o Dia de Portugal, mas deixando um registo eterno.      Mas e como diziamos, a parada do Dia de Portugal em Boston rodeou-se do maior êxito. Desfilaram bandas de música, ranchos folclóricos, carros alegóricos, representações bancárias, mas com ligação à comunidade, representação de restaurante, com o Portugália a mostrar Portugal baseada na Torre de Belém e com os cabeçudos a desfilar em carro aberto.

Motas, muitas motas e motards, onde a bandeira portuguesa era termo comum. Eles e elas fizeram barulho com o roncar dos potentes motores acordando toda a Cambridge Street.

Depois da bandeira oficial do Boston Portuguese Festival vinham os convidados oficiais, cônsul de Portugal em Boston, José Rui Caroço; João Caixinha, Paulo Martins.

E com as temperaturas a subir, o desfile prosseguia pelas ruas de Somerville em direção à Cambridge Steet em Cambridge.

Aqui protegidos pela sombra das árvores largas centenas de pessoas alinhavam-se ao longo da Cambridge Street, para aumentar junto da igreja de Santo António onde finalizava o cortejo alegórico.

Lá estava a  Filarmónica de Santo António, uma presença habitual no patriótico desfile.

As Portas da Cidade foram tema para uma presença em parada que foi muito apreciada.

A PAPS também se associou ao desfile e cheias de atividade.

A LALIS está em todas. Esteve em Providence. Desfilou em Cambridge. Vai desfilar em Provincetown e nas Grandes Festas em Fall River.

No âmbito do folclore, desfilava o “Corações Lusíadas”, de Cambridge. Já são habituais. A juventude nos seus trajes típicos encara o calor e longa caminhada alegre e bem disposta.

A Torre de Belém veio à parada em mais uma iniciativa de Maria Valente, do Restaurante Portugália.

Desde o barco moliceiro aos cestos de Tomar, tudo Maria Valente tem trazido ao desfile e sempre com significado.

Uma nota de realce para a presença da Escola Portuguesa Cambridge/Somerville.

No todo uma parada patriótica, cheia de significado. Para o ano, será feito como Rhode Island, atribuir prémios aos carros alegóricos e associações em parada.

 

• Fotos e texto de Augusto Pessoa