Escola do Clube Juventude Lusitana ensina português num dever de quase 90 anos

Ensinar é uma obrigação, ensinar português é um dever

 

 

Era tarde de quarta-feira. Subimos ao segundo andar do Clube Juventude Lusi­tana.

O hoje moderno salão condizia com a juventude irrequieta que o enchia. Nos olhos brilhantes de luz cintilante a visão de um futuro prometedor.

“Que bonito este quadro. Mesmo a qualidade da fotografia não consegue arrancar ao íntimo das nossas crianças a alegria de mais um ano vencido. E se digo vencido é porque não é fácil, depois de um dia de escola americana, ir para a escola portuguesa. Mas eles, os nossos jovens, com o apoio e o entusiasmo dos pais e avós, estes últimos ainda mais importantes, apostam na herança cul­tural. E todos eles juntos. Alunos, pais e avós, são os heróis da preservação e projeção da língua portu­guesa”, começou por dizer Fernanda Silva, que acres­centa: “E aqui entra o Portuguese Times do tem­po do professor Amadeu Casanova Fernandes e agora de nós própria a levar bem longe a nossa mensa­gem, a mensagem da lingua da cultura das tradições portuguesas ao mundo”, sublinhou Fernanda Silva, diretora pedagógica da escola do Clube Juventude Lusitana.

A escola funciona em instalações facilitadas pelo Clube Juventude Lusitana. Uma organização que sem perder a sua história, aposta no progresso, pela mão do presidente Henrique Craveiro, que se pode considerar o grande osquestrador do novo Clube Juventude Lusitana. Mas um presidente que sobe a escadaria e perante pais e alunos.

“Vocês são os responsáveis por manterem esta presença lusa como um eterno pilar de uma comunidade, uma língua, uma cultura. A aprendizagem aqui adquirida no respeitante à língua portuguesa é uma etapa da vossa vida, que não só deve ser um orgulho, como vai pesar no futuro quando entrarem no mercado do trabalho”, sublinhou Henrique Craveiro, que bem se pode considerar um dos mais ativos presidentes dos últimos tempos. É uma presença em todas as atividades sócio-culturais da comunidade, tendo em conta o peso do Clube Juventude Lusitana, no contexto comunitário.

Com palavras de elogio e incentivo aos jovens que finalizaram e aos que vão dar continuidade, subiram ao palco o padre Fernando Cabral, da vizinha igreja de Nossa Senhora de Fátima e ainda a vice-cônsul Marcia Sousa, uma presença imprescindível nas iniciativas sócio-culturais da comunidade.

 

• Fotos e texto de Augusto Pessoa