Festival de Gastronomia e Folclore em RI foi sucesso

 

O Festival de Gastro­nomia e Folclore fez desfilar pelo salão do Clube Juventude Lusitana em Cumberland o saber das interpretações folclóricas e o sabor do que de bom temos em gastronomia portuguesa.

Foi mais um festival integrado nas celebrações do Dia de Portugal/RI/ 2017 que teima em somar êxitos direcionados a Providence onde a parada vai ser o apogeu de um programa impar, mas que deve ser tomado em aten­ção, pois que é o resultado da concretização das atividades que vai refletir a adesão aos arraiais em Providence. 

O domingo amanhaceu radiante de sol a brilhar. Com o frio que se tem feito sentir o dia estava con­vidativo para um passeio a Newport. Mas como Deus ao criar o dia, acrescentou-lhe a semana e os meses de verão, não vão faltar dias, para se poder ir até Newport, pelo que o salão do Clube Juventude Lusitana foi o ponto de encontro da comunidade, no passado domingo.

Alberto Saraiva, Teresa Fidalgo e Maria Brasileiro foram os responsáveis pelo certame que voltou a atrair a comunidade, atraida pela boa gastronomia e bom folclore.

Mas o grande respon­sável era Leonel Teixeira, que, na presidência das celebrações, não tem mãos a medir para para resolver as questões que sempre surgem.

Mas um encontro onde não faltaram os grandes timoneiros das celebrações do Dia de Portugal. Só faltou Rogério Medina, o timoneiro mor, das primeiras celebrações em Providence numa primeira fase e o regresso numa segunda fase.

Já quase nos esque­ciamos, também faltou António Costa, o grande obreiro das celebrações na Broad Street em Cum­berland, conjuntamente com António Rodrigues. Mas o homem de Penalva do Castelo esteve lá, só o de Esmolfe, é que faltou.

Carlos Pacheco, Cinira Faria, Filomena Couto, António Rodrigues,Luis Lourenço, Manuel Costa,  compareceram ao toque a formar, que é como quem diz, se algum dia, preci­sarem de nós, estamos prontos para arrancar. Victor Santos, mais um antigo presidente, também lá esteve, mas agarrado ao violão para acompanhar o rancho de Santo António a festejar 40 anos de existência.

No salão aprontavam-se o Clube Juventude Lusi­tana, com feijoada e bacalhau à Zé do Pipo, ao que este ano acrescentaram as filhoses da Beira Alta.

A organização de Hen­rique Craveiro está uma vez mais de parabéns, pois que ao ser uma vez mais anfitriã do certame deu todas as facilidades e contributo ao êxito do certame.

Mesmo à porta de acesso ao campo de jogos, estava a representação do Clube Sport União Madeirense. A razão desta localização era para ser mais fácil o acesso aos assadores do frango de churrasco e da carne de espeto.

Quando o festival era em tipo de concurso, a carne de espeto era rei e senhora e chamava a si o primeiro prémio.

Os Amigos da Terceira era mais uma presença no festival, fruto do trabalho de ativos elementos sob a chefia de Délio Leal.

Apresentaram-se com Alcatra de Carne e Chicharros. Era mais uma iguaria no festival e esta com sabor terceirense. São estas carateristicas que fazem do festival um certame apetitoso.

E ladeando o salão onde se desenrolava o festival surgia o Clube Social Português com sede em Pawtucket, organização que já deu início às reuniões preparativas para o centenário.

Esta organização trouxe ao festival cabrito à social e bacalhau à narciso.

A escola do Clube Juventude Lusitana juntou os professores, transformou-os em cozinheiros, chefes de mesa e toca de abrir a cozinha.

O que nenhuma das sete organizações tinha era um médico a servir bifanas. Pois Paulo da Rosa, dentista em Cumberland, foi a última contratação de Fernanda Silva. E dizia-nos ele: “se a minha profissão não resultar, já tenho uma alternativa”. O que é preciso é boa disposição.

“Quero aproveitar o Portuguese Times para agradecer à Matos Bakery, Carniçaria Internacional, Henry Gonsalves, Co. Seabrasfood Supermarket, o apoio que deram ao facultar os produtos para confecionar as bifanas e as sandes de chouriço. Um agradecimento especial ao Frank Casimiro, que sem ele nada seria feito”, disse Fernanda Silva, diretora pedagógica da escola do Clube Juventude Lusitana.

O Clube Recreativo e Cultural do Warren é famoso pelos pratos regionais que serve às sextas feiras na sua sede. Entre estes estão a Alcatra de Polvo e Bacalhau à Espanhola. E foram estes dois que vieram de Warren para Cumberland.

O Cranston Portuguese Club foi mais uma presença no festival de Gastronomia e Folclore. Trouxe bacalhau à Gomes de Sá e Rancho com Grão de Bico.

Reinava entre todos aquela alegria própria das nossas gentes pelo que os que optaram pela ausência perderam uma grande tarde de portugalidade de colorido e de muita juventude.

Quem chegava tinha como aperitivo o típico cheiro da carne de espeto e do frango de churrasco, iguarias gastronómicas que são o cartão de visita do Clube Sport União Madeirense de Central Falls.

Se bem que a ideia seja comer e dar lugar ao próximo, o colorido e graciosidade do folclore obriga a que todos fiquem e a obrigar a montar mais mesas, para acomodar as centenas de pessoas, que não deixaram fugir a oportunidade de ver bom folclore.

Entre o folclore e a gastronomia esteve o sucesso de mais uma atividade do programa das celebrações do Dia de Portugal/RI/ 2017 que fazer semelhante não é fácil e igualar, quase impossível.

Ali, como em todas as atividades, temos a qualidade e os locais de excelência onde as atividades se desenrolam.

Ali existe o entusiasmo de uma comunidade que não deixa por mãos alheias os louros conquistados ao longo dos anos.

Ali não se altera praticamente nada ao figurino, baseado na velha teoria futebolística de que equipa que ganha não se muda. E como as provas dadas ao longo dos anos são uma realidade, nada melhor do que manter.

O folclore que é uma das componentes do festival, foi coroado do maior sucesso, com a exibição no salão, dos ranchos de Santo António de Pawtucket, Danças e Cantares do Clube Juventude Lusitana, Cumberland, Nossa Senhora de Fátima, Cumberland, Cranston Portuguese Club, Cranston.

Resumindo e concluindo só perdeu quem não esteve presente. “É precisamente isto. Só perdeu quem optou pela ausência. Quer a gastronomia quer o folclore, foi mais um estrondoso sucesso a juntar ao palmarés de atividades do programa das celebrações do Dia de Portugal em Rhode Island. Apostamos na qualidade, locais de excelência, para a realização das atividades e desde o pequeno-almoço, e hoje aqui a gastronomia, tudo se desenrolou em locais dignos e rodeados por gente que sente nas veias o sangue da portugalidade. Com todo este entusiasmo, vale a pena continuar a celebrar dignamente o Dia de Portugal em Rhode Island. Todo este tempo que se dedica às celebrações é bem empregue. Podemos dizer que é um investimento na nossa presença nos EUA”, disse ao PT, Leonel Teixeira, radiante por mais um êxito no programa das celebrações do Dia de Portugal/RI 2017, a que dignamente preside.

 Márcia Sousa, vice-cônsul de Portugal em Providence, esteve ausente por afazeres de ordem familiar, mas disse ao PT:

“Cada experiência que tenho oportunidade de viver junto da comunidade é mais uma achega ao meu currículo de sucessos. É impressionante o poder de movimentação da comunidade portuguesa de Rhode Island no referente às celebrações do Dia de Portugal. Sabendo aproveitar as infraestruturas de que dispõem, quer seja junto das associações, quer seja a nivel estadual, State House e a excelência do local dos arraiais no centro da cidade e parada com entrada triunfal, sem esquecer o WaterFire, comparecem com o orgulho de dizer, somos portugueses, estamos aqui integrados, temos os nossos luso eleitos e como tal somos parte integrante do estado de Rhode Island”, disse Márcia Sousa, tendo acrescentado:

“O que se viveu no Clube Juventude Lusitanam pelas informações que me chegaram  na concrerização de mais um festival de Gastrononia e Folclore não é mais que já referi. É mais um sucesso aliado ao poder de iniciativa das nossas gentes. Vale a pena trabalhar com gente que mostra em cada movimento o entusiasmo em manter uma étnia de que se orgulha. Desde o folclore à gastronomia são duas componentes que se completaram e o sucesso está à vista”, concluiu Marcia Sousa, vice-cônsul de Portugal em Providence, que tem acompanhado a comunidade no seu dia a dia.

 

• Fotos e texto de Augusto Pessoa