Xanana Gusmão esteve em Rhode Island e MA

 

“Muito obrigado a todos vós por todo o apoio prestado na reconstrução de Timor-Leste”

 

Xanana Gusmão, pri­meiro presidente de Timor Leste (2002 a 2007) e antigo primeiro-ministro (2007-20015) e até há bem pouco tempo mi­nistro do Planeamento e Investi­mento Estratégico daquele país do sudeste asiático, esteve no passado fim de semana em Rhode Island e em Massachusetts.

O Rhode Island College, Providence e o Clube Sport União Madeirense, em Central Falls foram locais de visita de Xanana Gus­mão na manhã e tarde do passado domingo. O antigo presidente de Timor Leste foi recebido no RIC pelo atual presidente este esta­belecimento de ensino superior, Frank Sanchéz e no Clube Sport União Madei­rense avistou-se com diri­gentes e ativos elementos da comunidade portuguesa de Rhode Island.

Ao fim da tarde de do­mingo, Xanana Gusmão foi alvo de receção com um banquete no restaurante Inner Bay, em New Bedford, perante cerca de meia centena de elementos dos mais variados ramos de atividade, num evento coordenado pelo deputado estadual de Massachusetts, António Cabral, e em que estiveram presentes ainda o atual embaixador de Timor Leste nos EUA, Domingos Sarmento Alves; Shelley Pires, cônsul de Portugal em New Bedford, juiz Phillip Rapoza, presidente da Fundação Penal e Penitenciária Internacional.

Depois de hora social e banquete, António Cabral, responsável pela vinda de Xanana Gusmão a New Bedford, começou por dar as boas vindas aos presentes salientando o momento im­portante e histórico para a cidade, aproveitando ainda para agradecer a presença das várias entidades pre­sentes e o apoio que a co­munidade tem dispen­sado à causa de Timor Leste. O deputado estadual foi, refira-se, um dos luso­eleitos que mais se destacou ao longo dos anos na luta pela causa timo­rense, tentando mover influências em Washington contra a opressão por parte do go­verno indonésio e pela independência de Timor Leste.

“Timor Leste tem vindo a fazer grandes progressos a todos os níveis, nomeada­mente na implementação de uma democracia estável e sólida, a base fundamental para o desenvolvimento deste país que precisa de investimento estrangeiro nomeadamente dos Estados Unidos. Há efetivamente ainda muito trabalho pela frente. Os timorenses pre­cisam agora da nossa ajuda na construção de um país economicamente próspe­ro”, referiu Tony Cabral, tendo ainda evocado algu­mas etapas mais marcantes no percurso de Xanana Gusmão, colocando-o à dimensão de um verdadeiro lutador e líder universal.

Shelley Pires, cônsul de Portugal em New Bedford, enalteceu o trabalho que tem vindo a ser feito em prol da democracia em Timor Leste e o envolvi­mento de Portugal na in­dependência daquele antigo território português e a cooperação entre os dois países nos últimos tempos. “Portugal tem estado ao lado de Timor Leste nesta fase importante para a consolidação da democra­cia e o desenvolvimento do país e esse apoio deverá certamente manter-se”, referiu a cônsul.

O juiz Phillip Rapoza, que serviu de 2003 a 2005 em Timor Leste como juiz do Tribunal Internacional das Nações Unidas, tendo viajado várias vezes àquele país do sudeste asiático para ajudar a organizar o sistema judiciário do país, evocou momentos da sua experi­ência no seu ramo de atividade durante aquele período e nomeadamente o primeiro encontro com Xanana Gusmão. “Xanana Gusmão demonstrou ser um grande diplomata e um defensor da causa de Timor Leste, nomeadamente nas negociações com a Austrá­lia na disputa da zona limí­trofe das águas territoriais entre os dois países. Foi ele e mais ninguém que con­seguiu levar a bom porto esse acordo e Timor precisa de homens e mulheres com o caráter, perseverança e firmeza na defesa dos interesses do seu povo e do seu país como Xana Gus­mão”, referiu o juiz Phillip Rapoza.

Na sua intervenção, Xa­na­na Gusmão, 71 anos de idade, começou por dizer em tom intimista: “Obri­gado amigos. Sinto uma ligação muito especial com New Bedford. Obrigado por essa amizade, amor e soli­dariedade. Fiquei deveras sensibilizado com esta receção entusiástica de todos vós. Isso para mim é a demonstração desse amor que jamais esquecerei”, salientou o antigo primeiro-ministro timorense, que evocou passagens dolorosas durante a luta pela indepen­dência e o fim da opressão por parte da Indonésia.

“Temos dados largos passos para a implemen­tação da democracia no nosso país e para a revita­lização de uma economia que dê aos nossos filhos e aos nossos jovens um futuro próspero e com condições para poder singrar, e esta luta na ultrapassagem de obstáculos e barreiras que à primeira vista pareciam impossíveis, mas foi graças ao apoio e contributo de políticos e entidades lusas desta região que canali­zando toda essa vontade, esforço e o poder de influ­ência junto do Congresso dos EUA, nomeadamente de alguns congressistas e senadores lusoamericanos de outros estados que con­seguimos algumas vitó­rias”, reconheceu Xanana Gusmão, que tenciona visitar mais frequentemente as comunidades lusósfonas de Massachusetts e Rhode Island e espera maior investimento por parte de algumas reconhecidas firmas norte-americanas em Timor Leste.

 

Xanana Gusmão esteve ainda na manhã da passada segunda-feira no Pell Center for International Relations and Public Policy na Salve Regina University em Newport e depois em New York, numa conferên­cia nas Nações Unidas.

 

• Reportagem: Francisco Resendes